Rodrigo Hernández, artista mexicano que vive en Lisboa, presenta en Pivô su primera muestra individual en Brasil, resultado final de una residencia de dos meses en este espacio ubicado en el emblemático Edificio Copan, un hito de la arquitectura de Oscar Niemeyer embutido en una ajetreada zona del centro de São Paulo.

En su proyecto, titulado O mundo real não alça voo [El mundo real no alza el vuelo], Hernández desafía esta gran estructura de concreto pintando la totalidad de los muros del espacio expositivo con un patrón psicodélico, sobre los cuales ha incorporado una serie de relieves en papel maché característicos de su reciente producción.

El título de la muestra es una traducción libre del primer verso del poema The real world, de Wislawa Szymborska, poeta polaca ganadora del Premio Nobel de Literatura en 1996, cuyos principales temas son el cotidiano, la historia y la naturaleza tratados con una dicción coloquial, despojada del efecto poético. Hernández parte de la relación entre el sueño y lo real, sugerida en el poema, y de la idea de “metamorfosis”, para crear este ambiente inmersivo en el que los patrones geométricos pintados en las paredes y las columnas de Pivô se relacionan con los volúmenes escultóricos.

Vista de la exposición O mundo real não alça voo [El mundo real no alza el vuelo], de Rodrigo Hernández, en Pivô, São Paulo. Foto: © Everton Ballardin
Vista de la exposición O mundo real não alça voo [El mundo real no alza el vuelo], de Rodrigo Hernández, en Pivô, São Paulo. Foto: © Everton Ballardin

Las retículas del mural –de tonalidades violetas y azules que van degradando a medida que se recorre el espacio- está basado en el patrón moiré de unos vestidos de papel que el artista vio en el Victoria and Albert Museum, en Londres, y que aquí, en su versión amplificada y envolvente, evocan la geometría mareante del Op Art.

Otras referencias son las ilustraciones científicas de la naturalista suiza María Sibylla Merian, que representan la metamorfosis de insectos; un sueño [*] que tuvo el artista tres meses después de que murió su madre, en el que una monja mira ese vestido de la Scott Paper Company Dress en el V&A Museum; y el obituario de esta misma monja, extraído de un periódico británico, que se incluye como fotocopia bastante fiel –a modo de memento– en el folleto que acompaña a la exposición.

Contrario a lo que los efectos de la óptica podrían advertirnos, los objetos de escala modesta colocados sobre esta gran pintura mural –objetos que se sitúan entre pinturas volumétricas y esculturas de pared- no pasan desapercibidos. Es más, al colocarlos en las áreas de transición de color, estos relieves, dados su intrigante forma y su colorido, saltan en un campo visual seductor, que delata las dos facetas de producción del artista: por un lado, el meticuloso trabajo de taller, y por el otro, la creación de proyectos site-specific orientados por largos procesos de investigación y por el contexto de cada exposición.

El artista utiliza principalmente medios clásicos como el dibujo, la escultura y la pintura para investigar sobre la construcción de la imagen, desde la iconografía mesoamericana hasta el arte contemporáneo. Hernández mezcla referencias culturales variadas -del grabado clásico japonés a la moda, pasando por el modernismo europeo, las técnicas artesanales y el realismo fantástico- para constituir un vocabulario plástico inusitado y, por lo tanto, singular.

Vista de la exposición O mundo real não alça voo [El mundo real no alza el vuelo], de Rodrigo Hernández, en Pivô, São Paulo. Foto: © Everton Ballardin
Vista de la exposición O mundo real não alça voo [El mundo real no alza el vuelo], de Rodrigo Hernández, en Pivô, São Paulo. Foto: © Everton Ballardin
Vista de la exposición O mundo real não alça voo [El mundo real no alza el vuelo], de Rodrigo Hernández, en Pivô, São Paulo. Foto: © Everton Ballardin

[*] As imagens nesta exposição são de um sonho que tive três meses após a morte da minha mãe. O sonho se passava em Londres, cidade que visitei duas vezes – com muitos anos de distância –, uma no verão e outra no outono. A visita de verão, há muitos anos, me tocou profundamente, mas Londres me pareceu uma cidade de passagem, repleta de pessoas a caminho de algum outro lugar. Fiquei impressionado com aquela sensação de férias e decidi voltar em uma época mais sóbria, talvez no outono ou no inverno. Muitos anos depois, cumpri essa promessa e retornei a Londres, dessa vez em outubro. Eu vivia uma fase melancólica e essa extraordinária cidade caiu como uma luva em meu temperamento daquela época. Tive a oportunidade de saboreá-la sozinho, sem a interferência das multidões do verão. Choveu a maior parte do tempo e a neblina que envolvia a cidade tinha um efeito hipnotizante.

Eu acordava às 4 da manhã e uma hora depois já estava explorando a metrópole, que ainda dormia – com exceção de alguns varredores de rua. Eu mal via suas silhuetas em movimento emergindo da névoa matinal. Às sete horas, com o dissipar da neblina, a cidade começava a ganhar vida, e o encanto se quebrava. As horas entre cinco e sete eram hipnóticas – algo de outro mundo, que pertencia a mim, potente e silencioso, e que ficaria gravado para sempre em meu subconsciente.

Agora, anos depois, esses momentos assombrosos emergem na forma de sonho. O lugar é Londres; o tempo, aquela época mágica do outono. O sonho, que surgiu da neblina, aparecendo e desaparecendo como ela, compunha um cenário completo na mesma sequência dessas imagens. A qualidade sonâmbula e quase submersa do sonho era impressionante. Naquela manhã, pensei nele por algum tempo, mas logo prossegui com a rotina diária da minha vida. Entretanto, uma semana depois tive o mesmo sonho. Dessa vez, fiz anotações em meu caderno e, desde então, penso nele todos os dias. Tornou-se uma obsessão.

Por que sonhei aquele sonho?

Quem é a freira negra?

Quem é o homem?

Dada a minha natureza analítica, sabia que o sonho era simbólico. O aspecto existencial do simbolismo não me é inteiramente estranho. Vivemos nossas vidas sozinhos – as pessoas que conhecemos são imagens narcisistas de nós mesmos; relacionamentos não duram; casos amorosos são decepções mútuas e distrações da morte. Todo mundo acaba tomando café da manhã sozinho. No final das contas, você é seu responsável e responsável por você. O resto é escuridão. Vejo o sonho como uma manifestação de esperanças frustradas, ilusões perdidas e a inevitabilidade da condição humana.

Essa foi minha viagem até o subconsciente – uma terra de eras, és e serás, iluminando uma verdade cristalizada escondida, um momento de tempo perdido, quiçá um momento de um tempo que nunca ocorreu, quiçá um porvir, fundindo e registrando imagens para sempre jovens, que nunca envelhecem, refletindo a ansiedade de todos os tempos por meio de flashbacks e flash- forwards. Encontrei-me na essência do tempo – e, ao mesmo tempo, fora dele, suspenso, olhando para o abismo.

No sonho, um homem segue uma freira por Londres, partindo da porta de um pequeno prédio em Bloomsbury. Ambos correm para dentro do Victoria and Albert Museum e ele a observa, parada, por um período especialmente prolongado de tempo, em frente ao vestido fabricado pela Scott Paper Company. Em seguida, os dois voltam a apressar o passo nas ruas, ele atrás dela. No entanto, o sonho se quebra em intervalos repentinos e incongruentes, como lombadas que costuram uma rua ou pontes que costuram um rio. Finalmente, eles trocam palavras: ela se apresenta como Mo-Po, diminutivo de Madre Paulette, e conta que sua missão é ajudar adolescentes a fazerem cirurgia de mudança de sexo. Em outro intervalo, o casal está novamente em frente ao vestido de papel do museu, mas desta vez ela fala sobre ilustrações botânicas da metamorfose de insetos que mostram todos os estágios em um só desenho. Depois, passam para dentro de um hospital, onde ela lhe entrega arquivos com nomes. Dentro, apenas imagens dela, mas em versão jovem, na Jamaica, trabalhando nua em algo que parece uma seda no padrão moiré. Em uma delas, ela pressiona o corpo com toda força contra uma máquina, fazendo com que seus seios desapareçam. Na próxima imagem da sequência, vemos que ela imprimiu um grande quadrado azul escuro. As fotos viram ou progridem para desenhos – exemplos, como ela as descreve – de padrões quase idênticos sobrepostos. Eles agora sentam, depois voltam a andar. Ele a perde e volta a segui-la secretamente pelas ruas londrinas.

Rodrigo Hernández

Vista de la exposición O mundo real não alça voo [El mundo real no alza el vuelo], de Rodrigo Hernández, en Pivô, São Paulo. Foto: © Everton Ballardin
Vista de la exposición O mundo real não alça voo [El mundo real no alza el vuelo], de Rodrigo Hernández, en Pivô, São Paulo. Foto: © Everton Ballardin
Vista de la exposición O mundo real não alça voo [El mundo real no alza el vuelo], de Rodrigo Hernández, en Pivô, São Paulo. Foto: © Everton Ballardin
Vista de la exposición O mundo real não alça voo [El mundo real no alza el vuelo], de Rodrigo Hernández, en Pivô, São Paulo. Foto: © Everton Ballardin

RODRIGO HERNÁNDEZ: O MUNDO REAL NÃO ALÇA VOO

Pivô, Edifício Copan, loja 54 – Avenida Ipiranga, 200 01046-925, São Paulo

Hasta el 27 de octubre de 2018